Central-Prescricao
Central-Prescricao

Amaryl 4mg c/ 30 Comprimidos


Amaryl®
Glimepirida
Indicações - Diabetes mellitus não-insulinodependente (tipo II ou diabetes do adulto), quando os níveis de glicose não podem ser adequadamente controlados por meio de dieta alimentar, exercícios físicos e redução de peso. AMARYL® (glimepirida) pode ser associado à metformina quando os níveis glicêmicos não puderem ser adequadamente controlados por meio de dieta alimentar, exercícios físicos e uso de AMARYL® (glimepirida) ou metformina em monoterapia. AMARYL® (glimepirida) também pode ser utilizado em associação com insulina.
Contra-indicações - Diabetes mellitus insulinodependente (tipo I ou diabetes juvenil), pré-coma ou coma diabético, cetoacidose diabética, hipersensibilidade à glimepirida ou a qualquer de seus componentes, outras sulfoniluréias ou derivados sulfonamídicos, insuficiência renal ou hepática grave; pacientes que precisam se submeter a diálise; gravidez e lactação.
Precauções - Observar sinais clínicos de hiperglicemia: poliúria, polidipsia, secura da boca e pele ressecada. Recomenda-se controle periódico dos níveis de glicose no sangue e na urina. Os sintomas de hipoglicemia podem ser mais leves ou ausentes quando a hipoglicemia desenvolver-se de forma gradual, por exemplo, quando da idade avançada, quando houver uma neuropatia autonômica ou quando o paciente estiver recebendo tratamento simultâneo com betabloqueadores, clonidina, reserpina, guanetidina e outros fármacos simpaticolíticos. Está indicada a substituição temporária por insulina nos casos de estresse muito grande (por exemplo, trauma, cirurgia, infecções acompanhadas de febre). AMARYL®(glimepirida) não substitui a dieta.
Interações - Potencialização do efeito da diminuição do nível de açúcar no sangue, e conseqüente hipoglicemia, apresentado pela glimepirida, como, por exemplo, por insulina ou outro antidiabético (oral), inibidores da ECA, alopurinol, esteróides anabolizantes e hormônios masculinos, cloranfenicol, derivados cumarínicos, ciclofosfamidas, disopiramida, fenfluramina, feniramidol; fibratos, fluoxetina, guanetidina, ifosfamida, inibidores da MAO, miconazol, ácido para-aminossalicílico, pentoxifilina, fenilbutazona e oxifenilbutazona, azapropazona, probenecida, quinolonas, salicilatos, sulfimpirazona, sulfonamidas, tetraciclinas, tritoqualina, trofosfamida. Atenuação do efeito hipoglicemiante da glimepirida, como, por exemplo, por acetazolamida, barbitúricos, corticosteróides, diazóxido, diuréticos, epinefrina (adrenalina) e outros agentes simpaticomiméticos, glucagon, laxantes (uso abusivo), ácido nicotínico (em doses elevadas), estrogênios e progestágenos, fenotiazínicos, fenitoína, rifampicina, hormônios da tireóide. Potencialização ou atenuação do efeito hipoglicemiante da glimepirida: antagonistas de receptores H2, clonidina, reserpina; ingestão de álcool. Diminuição da tolerância à glicose, piora do controle metabólico: betabloqueadores. Redução ou ausência de sinais de contra-regulação adrenérgica: fármacos simpaticolíticos (como betabloqueadores, clonidina, guanetidina, reserpina). A glimepirida pode tanto fortalecer como enfraquecer o efeito dos derivados cumarínicos. A glimepirida é metabolizada pelo citocromo P-450 2C9 (CYP2C9). Deve-se levar em consideração tal fato, quando a glimepirida for concomitantemente administrada a indutores (como a rifampicina) ou inibidores (como o fluconazol) do CYP2C9.
Reações adversas - Principais efeitos adversos: Hipoglicemia (dor de cabeça, excesso de apetite, náusea, vômitos, fadiga, insônia, alteração do sono, inquietação, agressividade, falta de concentração, depressão, confusão mental, alterações da fala e da visão, afasia, tremor, paresias, distúrbios sensoriais, tontura, sensação de abandono, perda do próprio controle, delírio, convulsão, sonolência e alterações da percepção, podendo evoluir para coma) e outros sinais de contra-regulação adrenérgica (sudorese, pele úmida e fria, ansiedade, taquicardia, hipertensão, palpitação, angina do peito e arritmias cardíacas); alterações visuais temporárias; sintomas gastrintestinais (por exemplo, náuseas, vômitos, dor abdominal, diarréia); elevação dos níveis das enzimas hepáticas, comprometimento da função hepática (por exemplo, com colestase, icterícia), hepatite, insuficiência hepática; trombocitopenia, leucopenia, anemia hemolítica, eritrocitopenia, granulocitopenia, agranulocitose, pancitopenia, reações alérgicas ou pseudo-alérgicas (por exemplo, prurido, erupções, urticária), incluindo choque e vasculite alérgica; hipersensibilidade à luz; redução das concentrações séricas de sódio. Pacientes com insuficiência da função renal podem ser mais sensíveis aos efeitos hipoglicemiantes de AMARYL® (glimepirida).
Posologia - Em geral, é uma terapia de longa duração, que deve ser prescrita e monitorada por um médico. A posologia inicial usual é de 1 mg ao dia; a posologia de manutenção usual é de 1 mg a 4 mg ao dia; a dose máxima é de 8 mg ao dia. Recomenda-se administrar imediatamente antes da primeira refeição substancial ou da primeira refeição principal.
Superdosagem - Ingerir açúcar de imediato, se possível na forma de glicose. A hospitalização pode vir a ser necessária em algumas ocasiões. Se o paciente estiver inconsciente é indicada uma injeção intravenosa de solução concentrada de glicose. Para adultos, pode-se considerar a administração de glucagon em doses de 0,5 a 1 mg por via intravenosa, subcutânea ou intramuscular. Em crianças e adolescentes, a dose de glicose deve ser administrada cuidadosamente. A ingestão excessiva de AMARYL® (glimepirida) requer medidas rápidas de desintoxicação (lavagem gástrica e carvão medicinal).
Apresentação - Comprimidos sulcados de 1, 2 e 4 mg.
Venda Sob Prescrição Médica.
Para maiores informações antes de sua prescrição, favor ler a bula completa do produto.
A persistirem os sintomas, o médico deverá ser consultado.
Registro no M.S. 1.1300.0205.
SANOFI-AVENTIS Farmacêutica Ltda.
 Registro do medicamento na Anvisa: 113000205
Princípio ativo: GLIMEPIRIDA
Nome do Fabricante: SANOFI-AVENTIS FARMACEUTICA LTDA.

Venda sob prescrição médica